Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de AlGo

Por Mena Gomes

Blog de AlGo

Por Mena Gomes

22
Jul20

Não gostam da Cristina Ferreira?

Não gostem, não vejam, é simples.

Mas digo-vos:

- Ela não grita tanto como as pessoas que não assistem aos seus programas dizem que ela grita.

E o que grita é porque sabe que há mais quem goste, do que quem não gosta.

- Ela não faz os entrevistados chorar tanto como as pessoas que não assistem aos seus programas dizem que ela faz.

É o perfil de programas que faz, ela e todos os que fazem o mesmo tipo. 

Lá porque não gostam o valor dela não diminui. 

E para quem acha estranho que ela passe a diretora, apetece-me explicar que ela tem muitas e variadas provas dadas em como sabe fazer entretenimento em televisão, para mim isso é suficiente, mas a mulher ainda tem um curso em Ciências da Comunicação, e não me ocorre melhor formação para o cargo. A vocês ocorre? Qual?

Se vai ser acionista, é porque tem dinheiro para comprar as ações. Dinheiro que ganhou com trabalho, com empenho, com dedicação.

O que há de errado nisto?

Se calhar só a perceção das pessoas, que não estão habituadas a ver uma mulher brilhar para lá das lantejoulas.

21
Jul20

Então e a Cristina Ferreira?

Eh Pah!! Não nego. Fiquei chocada com o seu regresso à TVI, menos de dois anos depois de ter dali saído para a SIC.

Estive uma data de tempo sem querer acreditar, não parecia possível. Depois passou, porque tenho mais em que pensar.

Se tem a oportunidade de ter o poder que ambiciona? Qual é o mal? 

Mais do que tudo, Cristina Ferreira é uma marca e a pessoa que gere essa marca faz um ótimo trabalho. A mulher Cristina Ferreira, a profissional, é genial no que faz.

Tenho pena que o "Programa da Cristina" acabe. Sei um bocadinho de televisão, vejo ali o melhor programa feito em muito tempo em Portugal. Não será fácil supera-lo, mas tenho a certeza que ela, "Cristina Ferreira, nascida e criada na Malveira", o fará. Porque ela sabe o que faz.

 

25
Set19

Poupem palavras #1

Todos nós usamos um pleunasmozinho uma vez ou outra, não vem mal ao mundo por isso, mas enerva muito quando eles são repetidos frequentemente por quem devia ter a responsabilidade de falar/escrever bem, os meios de comunicação.

 

Em tempo de campanha eleitoral é frequente ouvir/ler "uma arruada pelas ruas de..." Queriam uma arruada por onde mesmo?

Basta dizerem "o partido fez uma arruada em Braga".

12
Out17

Disto de ser jornaleiro #2

Estão "jornalistas" à porta de José Sócrates, "plantados", à espera de o ver depois de ter sido deduzida acusação na "Operação Marquês".

 

Acaso o homem já tem um sinal na testa? na ponta do nariz?

Emagreceu? Engordou?

 

Não, deve estar igual.

 

Os advogados já falaram, acham mesmo que ele vai dizer alguma coisa?

O que esperam lá à porta?

 

O moço "plantado" da TVI está lá desde as oito da manhã, são 13h10, apanhou muito frio e agora está a torrar ao sol, deve ter queimado o fuzivel.

 

Só isso justifica que diga:

"Já vimos José Sócrates, por uma janela. Estava a falar ao telefone, possivelmente com os seus advogados"

 

O que está errado? TUDO

Estarem à porta do homem.

Verem e divulgarem o que faz dentro de casa (a minha vizinha também costuma fazer isso).

Inventarem que estava a falar com os advogados (a minha vizinha... acho que já perceberam a ideia)

 

É nestas alturas que agradeço ter deixado o jornalismo de parte. Nunca seria uma boa profissional porque nunca aprendi a fazer jornalixo.

15
Ago17

Tudo ao lado...

... ou "porquê ser rigoroso se ninguém é exigente?"

 

Ainda estou de férias pelo que tenho visto imensa televisão, assim tipo NADA. Por isso, foi preceiso um amigo me mostrar esta imagem para eu me rir (para não chorar).

20799541_1625628944167644_6543222132982232902_n.jp

O rigor, a atenção são... esqueçam. Não há rigor nem atenção. Não fosse estar a ser falada uma coisa tão má, isto daria para umas belas gargalhadas.

 

O facto é que no incêndio em Coimbra, as chamas atingiram Miranda do Corvo, Lousã e Vila Nova de Poiares.

Um lapso toda a gente tem, mas em três erras três, é dose.

 

Diz que, depois disto, ainda falaram em Terras do Mondego. Sim, são tudo terras do Mondego, mas o nome da localidade atingida pelo fogo é Torres de Mondego.

 

Já agora, desta vez a Judite não teve culpa (digo eu, que não ouvi o que ela disse, só vi esta imagem).

Já agora (outra vez), estou a fazer um post baseado no "diz que", o que pode acarretar riscos de incorreção. Porque o faço? Porque estou de férias, posso.

 

28
Jun17

Juntos por Todos

Mas não muito. Pelo menos para os canais de televisão, que cada uma com sua emissão, lá transmitiram o concerto. A meu ver, deitaram por terra o que tanto apregoaram, da emissão conjunta e bla bla bla... Juntos, mas cada um por si, talvez para depois poderem dizer que foram os mais vistos.

 

As rádios juntaram-se verdadeiramente, numa emissão conjunta a refletir o espírito da iniciativa.

 

Importante a sério, foi o resultado: um milhão, cento e cinquenta e três mil euros.

Espero que seja bem distribuído.

 

Para recordar, o mau comportamento do Salvador Sobral. A cantar outra coisa quando já se "chorava" por "Amar Pelos Dois" e depois a quebrar a tristeza com uma piada sobre flatulência, mais ou menos infeliz para o momento, mas com graça. Depois lá chegou o momento "Amar Pelos Dois" e rendo-me, a música é linda. Cantada por 14 mil pessoas é muito bom de ouvir.

Por mim, o Salvador pode continuar só a dizer disparates, eu gosto.

 

Se um dia vos perguntarem o que é "comunicação", mostrem a imagem desta interprete de Língua Gestual da RTP.

Magnífico.

Vídeo publicado em @newintownpt

 

21
Jun17

Vergonha dos "jornaleiros" deste país

Eu faltei a muitas aulas durante o curso, ainda assim, tenho coisas a ensinar a muitos dos jornalistas em exercício.

 

- Não se faz reportagens ao lado de corpos sem vida.

- Não se pede declarações a quem acabou de perder pessoas.

- Não se atrapalha o trabalho de quem combate o fogo fazendo reportagens em zona de perigo.

- Não se incomoda o descanso dos bombeiros.

- Não se incentiva a revolta das populações reforçando que "não havia bombeiros, mais uma vez" quando se sabe que havia, estavam era noutros locais igualmente precisos.

 

Já agora, e esta é bónus, também não se notícia a queda de um avião só porque se ouviu dizer e depois se culpa as entidades oficiais da publicação da notícia porque não a desmentiram...

senhores, é ao contrário, verifica-se primeiro... esta é básica.

 

Nada disto se aprende nas aulas, chama-se "ser um humano".

 

A desculpa de que "todos fazem igual" não melhora nada, pelo contrário, acrescenta a miséria.