Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de AlGo

Por Alexandra Gomes

Blog de AlGo

Por Alexandra Gomes

Greta Thunberg

05.12.19

Afinal a quem é que a "pita impertinente" mete medo? Porquê irrita tanta gente?

Tenho uma teoria: uma miúda de 16 anos conseguir ser ouvida desta forma por dizer com a boca toda que quer mudar o mundo, faz-nos sentir menores. 

Ela só quer chamar a atenção para a emergência climática e está a consegui-lo, de uma forma que nenhuma associação, por mais palhaçada que faça, conseguiu até agora. Reconhecermos que alguém tão normal e pequeno tem tanto poder, faz-nos sentir cobardes.

A mim faz.

A diferença é que ela não me irrita, causa-me admiração.

Também eu com 16 anos achava que podia mudar o mundo, mas não tive coragem nem estrutura para o tentar fazer, ela tem.

É fácil ser ativista no sofá e rezar pela Amazónia. Até não é nada complicado não usar sacos de plástico e fazer a separação de lixos, agora enfrentar os poderes? Isso é difícil, e é isso que ela faz. Na medida do que consegue, do alto dos seus 16 anos.

Se é patrocinada por ricas empresas multinacionais ecológicas, pode ser. Que bom que isso é.

Vou se calhar dar uma grande novidade ao mundo, mas qualquer empresa tem um só e único objetivo: Lucro. Se para o conseguir usam técnicas e produtos mais sustentáveis, tanto melhor. Por mim, eu prefiro contribuir para o lucro desses magnatas da ecologia do que para os outros.

Na loucura, eles ficam ricos mas o mundo fica um lugar melhor.

Hugo van der Ding

 

Restaurar a fé na humanidade aos bocadinhos

06.11.19

Por certo se lembram do IRA, um grupo de Intervenção e Resgate Animal, muito falado aquando de uma "reportagem", ainda com muito por explicar, da TVI. 

Já conhecia o grupo e o seu trabalho, o que me fez descrer na maioria das acusações então proferidas e que, qualquer olhar mais atento, percebia ser informações manipuladas para servir um objetivo que, esse sim, ainda está por explicar.

Desde essa altura, o IRA tem continuado a intervir em muitos casos com animais e foi amplamente noticiada a sua ajuda no caso da Bebé Matilde e nunca mais se ouviu falar da acusação de terrorismo... Aguardo que se fale, porque o caso não está fechado

Hoje, queria-vos falar de uma das mais recentes intervenções.

Há cerca de um mês foi apresentado na página o caso de um sem abrigo que deambulada pelas ruas de Lisboa com a sua cadela. Pedia-se alimentos para o animal, roupa e medicamentos para o homem.

O IRA andou à procura deles e encontrou-os. Alimentou-os e deu-lhes agasalhos, mas não parou. Para além de tudo o que era necessário para a Kaya, a cadela, encontrou abrigo temporário para ambos, trabalho para o homem e ontem anunciou que o Vítor e a sua cadela têm finalmente uma casa. Continuam a precisar de ajuda, mas têm um abrigo, ânimo para começarem uma vida nova e,  muito importante, dignidade.

Podem ver a atividade do IRA na página do Facebook e conhecer mais "ações de terrorismo" que todos os dias apresentam.

 

Não chega rezar

23.08.19

FB_IMG_1566496549706.jpg

Sem julgamentos, só para fazer pensar.
Muito do que se está a passar na Amazónia tem a ver com o que se coloca no prato.

 

A pecuária é a maior responsável pela desflorestação da Amazónia (há estudos científicos, que diferem nos números, mas todos apontam para mais de 60%, alguns chegam aos 90).

É urgente reduzir o consumo de carne. Excluir era o ideal, e mais fácil do que parece à primeira vista, mas reduzir já é um passo importante.

 

Se não mudarmos hábitos, o futuro da Terra é negro e o futuro é já agora.

 

*sugiro a leitura deste texto.

 

 

Ditadura do gosto?

08.11.18

Não, porque a tourada não é uma questão de gosto.

 

Eu respeito quem gosta de música "pimba", daquela brejeira e quem gosta de heavy metal, quem venera a "Guerra das Estrelas" ou "Game of Thrones", quem aprecia malabaristas, trapezistas e palhaços...

 

Não gosto de nada disto, mas respeito e até consigo dar valor ao trabalho dos artistas.

 

Agora quem gosta de massacrar um animal ou de aplaudir uma prática violenta e cruel não merece o meu respeito.

 

Todo o debate que se está a gerar em torno da tauromaquia devia servir para levar a cabo iniciativas que ponham fim a este costume doentio. Duvido que por decreto se chegue lá, mas acredito que se os puserem a viver da bilheteira, isto acaba rapidamente.

 

Não podemos olhar para um touro e achar que ele nasceu para ser massacrado. Não se podem aplaudir leis de proteção animal (quantas mais melhor) e deixar de parte o touro... e o cavalo, já agora.

 

Não pessoas que gostam de touradas, vocês não são civilizados.

São pessoas sádicas, retrogradas e mesquinhas. Assumam de uma vez que gostam de fazer mal aos animais e não se escondam na tradição e muito menos na cultura. Ganhem a coragem que fingem ter ao "enfrentar" o touro e assumam de vez que são más pessoas e não se importam se o animal sofre ou não.

 

Não há um único argumento válido para esta barbárie continuar. 

 

 

 

Se calhar não sou feminista

07.11.18

Logo eu, tem piada!!

 

Descobri, porque não me faz confusão nenhuma não ver mulheres nesta "foto de família" da Web Summit.

45548046_1892782457503531_7052580331483824128_n.jp

Aliás, tiveram que me explicar, porque eu nem dei por falta delas.

 

Até que me digam que algum daqueles homens (ou outros) impediu que ali estivessem mulheres, não vejo ali qualquer desigualdade de género.

 

O que me irrita solenemente, e até me envergonha enquanto mulher, é o discurso de "coitadinhas de nós gajas, sempre a sermos discriminadas".

 

Com certeza, andam por aí muitas indignadas da foto que:

- Passam a camisa do marido a ferro porque "é a única coisa que ele não faz".

- "Deixam" o marido ir lavar o carro ao sábado à tarde enquanto aspiram a casa, limpam o pó, fazem o jantar...

- Celebram alegremente porque o marido lhes ofereceu um robot de cozinha no aniversário.

 

O feminismo começa em casa amigas, na vossa casa!!

 

Isto para não falar das que acharam, só porque sim, que "a dançar daquela maneira e assim vestida? Foi violada foi!"

 

O feminismo é lutar por direitos iguais, é mostrarmos em todas as áreas da nossa vida, TODAS, que somos iguais no que tem que ser igual (porque há diferenças, e são tão boas). 

 

E é igual, não é superior.

 

Feminismo e comportar-se como um ser de direitos e deveres iguais e não passar o tempo a lamentar porque fazem de nós diferentes. Até porque muitas vezes, na maioria das vezes, acredito eu, são as mulheres as culpadas. 

 

Tenho para mim que não há ali mulheres porque as mães da "geração tecnológica" puseram as meninas a ajudar nas lides domésticas enquanto os meninos jogavam computador e iam lavar o carro com o pai. Davam Legos aos meninos e Barbies às meninas.

Continuem a comprar cozinhas, esfregonas e tábuas de passar a ferro para as meninas brincarem e depois queixem-se que as vossas filhas não têm tantas oportunidades.

 

O feminismo começa em casa amigas, na vossa casa!!

 

 

 

Grande badalhoca

30.05.18

Se esperam um tema quente... esqueçam. É porca mesmo.

 

Estava eu no carro, num parque de estacionamento, vejo uma senhora a limpar os vidros do carro com uma daquelas toalhitas próprias para o efeito. Limpou, limpou, limpou. Conferiu o brilho. Aprovou. Trancou o carro e foi para dentro do centro comercial. A toalhita, deitou para o chão a meio do caminho.

 

Peguei num "post-it", escrevi um recado.

Saí do carro, peguei na toalhita.

Prendi a toalhita e o "post-it" no carro da senhora.

 

Provavelmente, as duas coisas foram parar ao chão, mas pelo menos, leu o recado.

 

Se podia ter chamado a senhora e falado com ela e preferi o "vandalismo"? 

Podia, mas não me apetecia o confronto com uma badalhoca.

 

Espero não lhe ter sujado o vidro. Se o fiz, foi sem intenção.