Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de AlGo

Por Mena Gomes

Blog de AlGo

Por Mena Gomes

08
Mar24

O verdadeiro dia da mulher será domingo

Sim, é no próximo domingo, dia 10, que todas nós podemos ir celebrar com pompa o Dia da Mulher. Lembrando que há uns anos não podíamos votar e tendo a consciência que, na vontade de muitos, ainda não o faríamos.

Não se iludam, há muitas almas que ainda nos acham seres inferiores e não é com jantares de gajas que vamos lutar contra eles, é recusando votar em partidos que têm nas suas listas homens que acham normal que uma mulher apanhe porque traiu o marido. Partidos que têm nas suas listas homens que querem retirar às mulheres o direito ao aborto ou, no mínimo, dificultar o acesso ao mesmo.

Não podemos permitir que se volte atrás no tempo, por isso, divirtam-se hoje como quiserem, mas domingo votem. VOTEM em consciência, Votem informadas. VOTEM.

16
Out23

Uma mulher trans foi coroada Miss Portugal...

... e as redes sociais explodiram. 

Dos vários comentários, parvos e nojentos, alguns até criminosos, há coisas que não colam no argumentário desta malta transfóbica, cheia de medo que lhe afetem o orgulho hetero/macho/qualquercoisa:

- Muitos diziam: "As mulheres deixam?", "As mulheres não fazem nada?" "Onde andam as feministas?". Gente, uma verdadeira feminista quer é que os concursos de miss acabem para todo o sempre. Por mim já tinham acabado. Enquanto existem, quem os vence é o que menos importa.

- Alguém que nasce homem (vamos dizer assim, só para facilitar o discurso) tem muito mais dificuldades em chegar aos padrões de beleza de uma miss, por isso, isto não é sequer comparável à discussão se uma mulher trans deve ou não competir numa prova desportiva feminina.

Há anos que os concursos de miss andam a propagandear um estereótipo de mulher que todas devíamos recusar: Para ser uma "miss", a mulher tem que ser bonita, delicada, prendada, pura e de preferência oca da cabeça. Pela primeira vez em Portugal, este concurso, que é misógino e objetifica a mulher, tem um papel de inclusão. Pela primeira vez nos apresenta uma mulher que lutou (muito) por algo e que tem muito mais para dizer do que "quero a paz no mundo".

Não, a Miss Portugal não é um homem.

Marina Machete é uma mulher linda, completa e corajosa. Tão mulher como eu. Se vai representar a beleza portuguesa, sinto-me muito bem representada. Como feminista, preferia que ela não se sujeitasse a isto, mas, de todas as que já o fizeram, ela é a que tem mais lógica fazê-lo.

 

P.S. Não estou a dizer que todas as miss ou candidatas a miss são burras, somente que o que o concurso quer que elas pareçam é isso.

 

05
Dez19

Greta Thunberg

Afinal a quem é que a "pita impertinente" mete medo? Porquê irrita tanta gente?

Tenho uma teoria: uma miúda de 16 anos conseguir ser ouvida desta forma por dizer com a boca toda que quer mudar o mundo, faz-nos sentir menores. 

Ela só quer chamar a atenção para a emergência climática e está a consegui-lo, de uma forma que nenhuma associação, por mais palhaçada que faça, conseguiu até agora. Reconhecermos que alguém tão normal e pequeno tem tanto poder, faz-nos sentir cobardes.

A mim faz.

A diferença é que ela não me irrita, causa-me admiração.

Também eu com 16 anos achava que podia mudar o mundo, mas não tive coragem nem estrutura para o tentar fazer, ela tem.

É fácil ser ativista no sofá e rezar pela Amazónia. Até não é nada complicado não usar sacos de plástico e fazer a separação de lixos, agora enfrentar os poderes? Isso é difícil, e é isso que ela faz. Na medida do que consegue, do alto dos seus 16 anos.

Se é patrocinada por ricas empresas multinacionais ecológicas, pode ser. Que bom que isso é.

Vou se calhar dar uma grande novidade ao mundo, mas qualquer empresa tem um só e único objetivo: Lucro. Se para o conseguir usam técnicas e produtos mais sustentáveis, tanto melhor. Por mim, eu prefiro contribuir para o lucro desses magnatas da ecologia do que para os outros.

Na loucura, eles ficam ricos mas o mundo fica um lugar melhor.

Hugo van der Ding

 

06
Nov19

Restaurar a fé na humanidade aos bocadinhos

Por certo se lembram do IRA, um grupo de Intervenção e Resgate Animal, muito falado aquando de uma "reportagem", ainda com muito por explicar, da TVI. 

Já conhecia o grupo e o seu trabalho, o que me fez descrer na maioria das acusações então proferidas e que, qualquer olhar mais atento, percebia ser informações manipuladas para servir um objetivo que, esse sim, ainda está por explicar.

Desde essa altura, o IRA tem continuado a intervir em muitos casos com animais e foi amplamente noticiada a sua ajuda no caso da Bebé Matilde e nunca mais se ouviu falar da acusação de terrorismo... Aguardo que se fale, porque o caso não está fechado

Hoje, queria-vos falar de uma das mais recentes intervenções.

Há cerca de um mês foi apresentado na página o caso de um sem abrigo que deambulada pelas ruas de Lisboa com a sua cadela. Pedia-se alimentos para o animal, roupa e medicamentos para o homem.

O IRA andou à procura deles e encontrou-os. Alimentou-os e deu-lhes agasalhos, mas não parou. Para além de tudo o que era necessário para a Kaya, a cadela, encontrou abrigo temporário para ambos, trabalho para o homem e ontem anunciou que o Vítor e a sua cadela têm finalmente uma casa. Continuam a precisar de ajuda, mas têm um abrigo, ânimo para começarem uma vida nova e,  muito importante, dignidade.

Podem ver a atividade do IRA na página do Facebook e conhecer mais "ações de terrorismo" que todos os dias apresentam.

 
23
Ago19

Não chega rezar

FB_IMG_1566496549706.jpg

Sem julgamentos, só para fazer pensar.
Muito do que se está a passar na Amazónia tem a ver com o que se coloca no prato.

 

A pecuária é a maior responsável pela desflorestação da Amazónia (há estudos científicos, que diferem nos números, mas todos apontam para mais de 60%, alguns chegam aos 90).

É urgente reduzir o consumo de carne. Excluir era o ideal, e mais fácil do que parece à primeira vista, mas reduzir já é um passo importante.

 

Se não mudarmos hábitos, o futuro da Terra é negro e o futuro é já agora.

 

*sugiro a leitura deste texto.

 

 

08
Nov18

Ditadura do gosto?

Não, porque a tourada não é uma questão de gosto.

 

Eu respeito quem gosta de música "pimba", daquela brejeira e quem gosta de heavy metal, quem venera a "Guerra das Estrelas" ou "Game of Thrones", quem aprecia malabaristas, trapezistas e palhaços...

 

Não gosto de nada disto, mas respeito e até consigo dar valor ao trabalho dos artistas.

 

Agora quem gosta de massacrar um animal ou de aplaudir uma prática violenta e cruel não merece o meu respeito.

 

Todo o debate que se está a gerar em torno da tauromaquia devia servir para levar a cabo iniciativas que ponham fim a este costume doentio. Duvido que por decreto se chegue lá, mas acredito que se os puserem a viver da bilheteira, isto acaba rapidamente.

 

Não podemos olhar para um touro e achar que ele nasceu para ser massacrado. Não se podem aplaudir leis de proteção animal (quantas mais melhor) e deixar de parte o touro... e o cavalo, já agora.

 

Não pessoas que gostam de touradas, vocês não são civilizados.

São pessoas sádicas, retrogradas e mesquinhas. Assumam de uma vez que gostam de fazer mal aos animais e não se escondam na tradição e muito menos na cultura. Ganhem a coragem que fingem ter ao "enfrentar" o touro e assumam de vez que são más pessoas e não se importam se o animal sofre ou não.

 

Não há um único argumento válido para esta barbárie continuar.