Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de AlGo

Por Mena Gomes

Blog de AlGo

Por Mena Gomes

26
Fev24

É possível ser boa pessoa e...

... votar no Chega?

Dar apoio a um partido racista, xenófobo, machista, homofóbico, formado por pessoas bafientas, com ideias retrógradas e cheios de preconceitos?

Tenho para mim que não.

Não me venham com a ideias de que são pessoas fartas do sistema. Achar que se vota naquilo como protesto é passar um atestado de burrice aos eleitores. Não faltam opções para protestar, quem vota no Chega está a apoiar um programa desprezível que, se ganhasse, nos levaria para trás no tempo, para épocas de má memória.

Quem vota no Chega concorda com algumas coisas que são ditas pelo líder do partido, se calhar concorda com muitas, talvez até com todas. 

Se sim, para mim, já nem me interessa se são boas pessoas ou não, só as quero longe de mim.

 

 

 

10
Jan24

As pessoas...

... quando foi implementado o IVA zero:

- 6% só em "meia dizia" de produtos? Isso não vale de nada. Grande coisa! Vamos ficar ricos com isso.

As mesmas pessoas quando a medida acaba:

- Tenho que ir às compras antes de dia 4 porque depois já há IVA.

- Vais às compras hoje (dia 5)? Devias ter ido ontem para poupar no IVA, ainda é uma diferença.

Como não amar pessoas?

05
Jan24

Feliz Ano Novo

A ideia era fazer um balanço sobre o ano anterior, mas a verdade é que a olhar para a "folha em branco", não me apetece. Se tenho momentos bons para recordar, claro que sim, mas também teve maus momentos e do passado vivem os museus, não este blog.

Olhemos para o futuro.

2024 tem tudo para ser um ano... igual a todos os outros. 

Com altos e baixos, esperemos que sem dramas e com muitos bons momentos.

01
Dez23

30 anos

Trinta anos é a maior parte da minha vida mas, ao mesmo tempo, é "ontem".

Volto a "ontem" muitas vezes e, neste dia em que passam 30 anos, estive em "ontem" quase todo dia.

"O tempo cura", dizem. Em parte é verdade, porque se aprende a viver e não está sempre a doer, mas uma cura quer-se definitiva, por isso, não existe para a saudade.

Saudade que para mim tem um nome: Pai.

 

 

16
Out23

Uma mulher trans foi coroada Miss Portugal...

... e as redes sociais explodiram. 

Dos vários comentários, parvos e nojentos, alguns até criminosos, há coisas que não colam no argumentário desta malta transfóbica, cheia de medo que lhe afetem o orgulho hetero/macho/qualquercoisa:

- Muitos diziam: "As mulheres deixam?", "As mulheres não fazem nada?" "Onde andam as feministas?". Gente, uma verdadeira feminista quer é que os concursos de miss acabem para todo o sempre. Por mim já tinham acabado. Enquanto existem, quem os vence é o que menos importa.

- Alguém que nasce homem (vamos dizer assim, só para facilitar o discurso) tem muito mais dificuldades em chegar aos padrões de beleza de uma miss, por isso, isto não é sequer comparável à discussão se uma mulher trans deve ou não competir numa prova desportiva feminina.

Há anos que os concursos de miss andam a propagandear um estereótipo de mulher que todas devíamos recusar: Para ser uma "miss", a mulher tem que ser bonita, delicada, prendada, pura e de preferência oca da cabeça. Pela primeira vez em Portugal, este concurso, que é misógino e objetifica a mulher, tem um papel de inclusão. Pela primeira vez nos apresenta uma mulher que lutou (muito) por algo e que tem muito mais para dizer do que "quero a paz no mundo".

Não, a Miss Portugal não é um homem.

Marina Machete é uma mulher linda, completa e corajosa. Tão mulher como eu. Se vai representar a beleza portuguesa, sinto-me muito bem representada. Como feminista, preferia que ela não se sujeitasse a isto, mas, de todas as que já o fizeram, ela é a que tem mais lógica fazê-lo.

 

P.S. Não estou a dizer que todas as miss ou candidatas a miss são burras, somente que o que o concurso quer que elas pareçam é isso.

 

05
Out23

Nos 113 anos da Implantação da República

prepara-se um Casamento Real

... Real porque todos os outros são ilusórios? Faria mais sentido, mas não, é REAL porque é da nossa família real, #deusosabençoe.

Pois é, uma República com 113 anos está ao rubro com uma festa monárquica.

Ironias da "tugalândia".

Se já é ridículo a palhaçada em torno das festas de suas altezas em Monarquia, em República... nem tenho palavras.

Vi uma entrevista da princesinha (eu sei que é infanta, mas "princesinha" tem mais piada) e a senhora dona acha mesmo que é especial. Diz ela que não pode ignorar que a sua família é História.

Pois é.

A minha também.

A monarquia, altezas e soberanos é que já passaram à história, há 113 anos em Portugal e na cabeça de qualquer pessoa com juízo.

Felicidades aos noivos.