Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de AlGo

De mim, da vida... de tudo.

Disto de ser jornaleiro #2

Estão "jornalistas" à porta de José Sócrates, "plantados", à espera de o ver depois de ter sido deduzida acusação na "Operação Marquês".

 

Acaso o homem já tem um sinal na testa? na ponta do nariz?

Emagreceu? Engordou?

 

Não, deve estar igual.

 

Os advogados já falaram, acham mesmo que ele vai dizer alguma coisa?

O que esperam lá à porta?

 

O moço "plantado" da TVI está lá desde as oito da manhã, são 13h10, apanhou muito frio e agora está a torrar ao sol, deve ter queimado o fuzivel.

 

Só isso justifica que diga:

"Já vimos José Sócrates, por uma janela. Estava a falar ao telefone, possivelmente com os seus advogados"

 

O que está errado? TUDO

Estarem à porta do homem.

Verem e divulgarem o que faz dentro de casa (a minha vizinha também costuma fazer isso).

Inventarem que estava a falar com os advogados (a minha vizinha... acho que já perceberam a ideia)

 

É nestas alturas que agradeço ter deixado o jornalismo de parte. Nunca seria uma boa profissional porque nunca aprendi a fazer jornalixo.

Tudo ao lado...

... ou "porquê ser rigoroso se ninguém é exigente?"

 

Ainda estou de férias pelo que tenho visto imensa televisão, assim tipo NADA. Por isso, foi preceiso um amigo me mostrar esta imagem para eu me rir (para não chorar).

20799541_1625628944167644_6543222132982232902_n.jp

O rigor, a atenção são... esqueçam. Não há rigor nem atenção. Não fosse estar a ser falada uma coisa tão má, isto daria para umas belas gargalhadas.

 

O facto é que no incêndio em Coimbra, as chamas atingiram Miranda do Corvo, Lousã e Vila Nova de Poiares.

Um lapso toda a gente tem, mas em três erras três, é dose.

 

Diz que, depois disto, ainda falaram em Terras do Mondego. Sim, são tudo terras do Mondego, mas o nome da localidade atingida pelo fogo é Torres de Mondego.

 

Já agora, desta vez a Judite não teve culpa (digo eu, que não ouvi o que ela disse, só vi esta imagem).

Já agora (outra vez), estou a fazer um post baseado no "diz que", o que pode acarretar riscos de incorreção. Porque o faço? Porque estou de férias, posso.

 

Juntos por Todos

Mas não muito. Pelo menos para os canais de televisão, que cada uma com sua emissão, lá transmitiram o concerto. A meu ver, deitaram por terra o que tanto apregoaram, da emissão conjunta e bla bla bla... Juntos, mas cada um por si, talvez para depois poderem dizer que foram os mais vistos.

 

As rádios juntaram-se verdadeiramente, numa emissão conjunta a refletir o espírito da iniciativa.

 

Importante a sério, foi o resultado: um milhão, cento e cinquenta e três mil euros.

Espero que seja bem distribuído.

 

Para recordar, o mau comportamento do Salvador Sobral. A cantar outra coisa quando já se "chorava" por "Amar Pelos Dois" e depois a quebrar a tristeza com uma piada sobre flatulência, mais ou menos infeliz para o momento, mas com graça. Depois lá chegou o momento "Amar Pelos Dois" e rendo-me, a música é linda. Cantada por 14 mil pessoas é muito bom de ouvir.

Por mim, o Salvador pode continuar só a dizer disparates, eu gosto.

 

Se um dia vos perguntarem o que é "comunicação", mostrem a imagem desta interprete de Língua Gestual da RTP.

Magnífico.

Vídeo publicado em @newintownpt

 

Vergonha dos "jornaleiros" deste país

Eu faltei a muitas aulas durante o curso, ainda assim, tenho coisas a ensinar a muitos dos jornalistas em exercício.

 

- Não se faz reportagens ao lado de corpos sem vida.

- Não se pede declarações a quem acabou de perder pessoas.

- Não se atrapalha o trabalho de quem combate o fogo fazendo reportagens em zona de perigo.

- Não se incomoda o descanso dos bombeiros.

- Não se incentiva a revolta das populações reforçando que "não havia bombeiros, mais uma vez" quando se sabe que havia, estavam era noutros locais igualmente precisos.

 

Já agora, e esta é bónus, também não se notícia a queda de um avião só porque se ouviu dizer e depois se culpa as entidades oficiais da publicação da notícia porque não a desmentiram...

senhores, é ao contrário, verifica-se primeiro... esta é básica.

 

Nada disto se aprende nas aulas, chama-se "ser um humano".

 

A desculpa de que "todos fazem igual" não melhora nada, pelo contrário, acrescenta a miséria.

Não sei se já repararam...

... mas a SIC passa 5 (cinco) CINCO novelas à noite.

Capturar.PNG

Duas portuguesas, três brasileiras. A uma chamam-lhe série, mas não é muito diferente de uma novela.

Há ainda uma à hora de almoço e outra de madrugada... 

 

Porquê que isto me chateia?

NÃO TENHO TEMPO PARA VER TODAS PÁ!!

Há bom jornalismo...

... há mau jornalismo e há o correio da manhã, que não é jornalismo de todo.

 

Terá um ou outro bom profissional, que faz algumas coisas bem, mas o que sobressai naquele órgão é o mau, o péssimo e o pior.

 

Por questões de trabalho, às vezes sou forçada a ver a CMTV, o jornal não leio e não sigo as redes do grupo, mas é impossível viver à margem daquilo que se "vomita" nas suas publicações. Ontem o Facebook estava "inundado" de pessoas indignadas com algo publicado pelo CM, fui ver.

 

Não abri o vídeo, não é preciso para ver que algo está errado.

Diz assim:
"Rapariga filmada e abusada no Porto e ninguém fez nada".

O CM fez, digo eu.

Publicou as imagens.

Diz que estão desfocadas, mas, e daí?

Publicar uma violação é tão violento como exerce-la. Não tenho dúvidas disso.


O jornal fez um editorial, mal escrito na minha opinião, que termina com a frase:

- "A realidade não fica melhor, por ignorarmos os factos."

Pois não CM, não fica.

Mas fica melhor por a mostrarmos?

 

Quando a rapariga em causa vir as imagens ou ler os comentários grotescos que já vi pelas redes, a realidade dela vai ficar muito melhor?

Quando qualquer pessoa abusada vir as imagens ou ler os comentários grotescos que já vi pelas redes, a realidade das vítimas vai ficar muito melhor?

 

Quão melhor a sociedade fica por ver aquele vídeo?

 

O jornal não publicou aquilo porque é preciso noticiar, publicou para ganhar "cliques", visualisações, dinheiro... nada mais. 

Lamento, lamento muito que tanta gente se deixe cegar por este "jornalismo". 

 

Sei do poder que os media têm sobre a sociedade. É muito triste e assustador que a maioria da sociedade seja influenciada por este lixo. Até porque esta história do vídeo da violação é só uma pequena página desta história de porcaria.

O que é uma reportagem?

De uma forma simples, é um conteúdo jornalístico baseado no testemunho direto dos factos e situações.

Nunca pensei publicar aqui uma reportagem da CMTV com o intuito de a elogiar, mas é facto, vai acontecer. Não ao canal, que uma bosta, mas a um jornalista e ao seu trabalho.

 

É isto:

Este jornalista foi meu colega de curso.

Se isto não é reportar diretamente factos e situações, eu e ele, aprendemos tudo errado.

Mas é, isto* é uma reportagem, com todas as letras, suor e lágrimas.

 

Pode haver quem ache lamechas, desnecessário, eu acho um magnifico testemunho.

Um fantástico trabalho.

 

 

*isto, não é só este momento, é toda a caminhada.

Disto de ser jornaleiro...

... porque me custa chamar-lhes jornalistas.

Mas para ser justa, deveria chamar-lhes perseguidores de polícia.

 

Dá-me nos nervos que os media estejam sempre onde a polícia está.

Dizerem coisas como: 

- "Terminaram as buscas em tal parte e estão agora concentradas no sítio tal".
- "Os meios desmobilizaram, mas pode tratar-se de uma 'operação cosmética'".

 

Porra pá!!

 

Quando estudei Comunicação Social aprendi que os meios teriam utilidade pública.

Era isso que me encantava na área, o poder fazer a diferença, para melhor, na sociedade.

 

Que raio de utilidade pública tem dar informações que interessam a um suspeito?

Utilidade privada tem, as audiências, mas devia haver limites.

Digo eu.

Ai o jornalismo!! Que saudades de quando existia

Por motivos que não importam (mas que me garante um salário mensal) assisto várias vezes ao Porto Canal.

Há por lá uma moça que (não vou dizer que é por ter uma carinha laroca que apresenta programas) que é uma taralhoca de primeira e só diz asneiras na maior parte dos "pivots" que lê. Para além de não se perceber metade do que diz, porque embrulha a língua e abusa do sotaque nortenho, o que parece é que quem escreve os textos não gosta dela, ela não os lê antes e, em direto (não vou dizer que é no programa "Mundo Local"), é "cada tiro cada melro" e brotam disparates como pipocas da panela. Se é ela que escreve os textos, bem... nem tenho comentários.

 

Só dois exemplos, para não vos cansar:

"Dez desempregados vão fazer em Famalicão a vigília da floresta. O programa municipal de perversão de incêndios decorre até ao dia 30 de setembro."

"O Tribunal de Justiça da União Europeia condenou as autarquias de Matosinhos e Vila Real de Santo António à pagagem de uma multa...".

 

A rapariga (não vou dizer que é a Mariana d´Orey) tem que ter cuidado, é que a carinha laroca não dura sempre e ela ainda vai a tempo de melhorar.

De mim, da vida... de tudo!

foto do autor

AlGo à Mesa

AlGo destacado

  •  
  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Queres falar comigo? Escreve.