Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog de AlGo

De mim, da vida... de tudo.

Dilemas meus

Se eu penso que devia haver um "jogo grande" em dia de eleições?

Não, creio que não devia.

 

Se concordo que o Governo o deveria proibir?

Não, não concordo.

 

Se calhar não é bem um dilema...

Cenas que tenho que ouvir...

... porque deixei de comer carne:

"Então o que comes?"

 

Sim, eu sei que "90%" da alimentação habitual é carne, até porque já estive desse lado (ainda há bem pouco tempo estava), mas acreditem que há um mundo de coisas boas que não são carne para nos alimentar.

 

Um mundo que não passa necessariamente por tofu e seitan, acreditem.

Morreu um forcado

"à e tal, enfrenta o touro, olhos nos olhos, corajoso, herói... bla bla bla!!"

 

#putaqueospariu

 

Os forcados não são uma parte melhor da tourada.

 

Quando pegam o touro, o animal já foi lidado, está ferido e assustado, vê-se rodeado de bestas que o imobilizam e puxam a cauda... Não consigo ver nada de bom nisto.

 

O que faz o forcado é parte integrante de uma "arte" que me envergonha enquanto humana.

 

Se mesmo com a morte de um jovem de 25 anos há quem não veja motivo para acabar com a tourada, não me sinto tão mal por não lamentar por aí além o que aconteceu.

Fui ao cinema sozinha

Nunca o tinha feito.

 

Eu que até gosto de fazer coisas sozinha (falo disso depois) nunca tinha ido ao cinema sem companhia.

 

E porquê?

Sei lá.

 

Não se vai ao cinema para conversar e a menos que se marque programa para depois (ou antes, sei lá) não há motivo nenhum para não ir ao cinema sem companhia.

- Posso escolher o filme sem "A sério que queres ir ver isso" ou pior ainda, ir ver um filme que nem se quer muito só porque sim.

- Posso ir à hora que me apetece, sem ser à hora que dá para os dois, ou três, ou pior ainda, aos dez.

- Consegue-se mesmo levar só água e uns rebuçados "para a tosse", porque mesmo não querendo comer, é impossível resistir a um balde de pipocas mesmo ali ao lado.

 

Foi a primeira vez, mas não terá sido a última.

Aviso já...

... se todos os cabelos brancos que me nascerem vierem fortes e saudáveis como o que está a surgir no cimo da minha cabeça, venham eles. Muitos e rápido.

 

Não aproveitem alguns este desabafo para me chamar velha que eu chamo-vos nomes.

Não fiz férias fora...

... por dois motivos que muita gente criticou (não muita, as do costume da crítica):

- Tenho que poupar dinheiro.

- Tenho o Tobias.

 

Estou para construir o meu castelo, todos os cêntimos que possa juntar são cêntimos a menos que tenho que pedir ao banco e mais pagamentos feitos antes de ter que o pedir.

Ter dinheiro para as despesas que vão surgindo é muito bom.

Acreditam que há quem ache que não? Que se tenho o dinheiro devia ter tirado uns dias. "Fazia-te bem", dizem. Na loucura, "até há viagens que podem ser pagas a crédito". 

 

Não, não me fazia bem ter uma dívida para poucos dias de "loucura".

Descanso muito mais sem contas para pagar.

 

Quanto ao Tobias, para o levar, gastaria dinheiro, para ter férias "de borla" não o podia levar.

A decisão foi rápida: Não vou.

Ele ficaria bem entregue, não quer dizer que nunca venha a ter férias sem ele e muito menos estou a criticar quem faz férias sem os animais, mas a verdade é que não me apetecia deixa-lo.

Adorei estar todos os dias com ele e incluí-lo em todas as atividades de férias. Deixei de ir à praia porque ele não pode e passei a maior parte "das sestas" em casa (ali entre a hora de almoço e as 16 horas) à espera que o calor acalmasse para ele poder sair e sabem que mais? Não estou nada arrependida.

 

Descansei, descansei muito e bem. 

Ficava já hoje outra vez, nestas férias caseiras e baratas.

 

 

Desafio: Um pouco sobre mim

Eu gosto de desafios - pelo menos destes, dos blogs - pelo que não podia recusar um vindo diretamente da Fátima que é SÓ a pessoa dos blogs que conheço há mais tempo. Se ela diz que me quer conhecer, eu dou mais um bocadinho a saber da minha pessoa, para quando ela pegar no carro e vier "cá'cima" saiba ao que vem. (avisa antes miúda, não vá eu, que nunca vou a lado nenhum, ir logo nesse dia).

 

1 - Oferecem-te uma viagem no tempo que não podes recusar. Que época escolhias?

Apesar dos "apesares" acho que vivemos numa das melhores épocas da história (para nós, os privilegiados, claro) e não me imagino a viver noutra altura do passado. Posso então escolher o futuro, onde mulheres e homens terão igualdade de oportunidades, as pessoas de todas as cores, tamanhos e formas, terão os mesmos direitos. Os animais são vistos como seres incríveis que são e não como coisas. Todas as crianças terão uma família que as ame, brinquedos e tempo para brincar e os velhos descansarão em suas casas, com as suas pessoas e as suas coisas, bem tratados e com conforto.. É um sonho? É, mas está ao alcance dos humanos, pena que nem todos querem.

 

2 - Um filme que te arrependes de ter visto?

Nenhum. Se não gostei a ponto de me arrepender, de certeza que não vi até ao fim e não me lembro de nenhum. 

 

3 - Fotografar ou ser fotografado?

Fotografar, sem dúvida. Não é que tenha lá muito jeito, mas detesto ver-me nas fotografias.

Acho que até já disse, se um dia gostar verdadeiramente de uma foto minha, publico-a e lá se vai o "anonimato" do blog.

 

4 - Se tivesses obrigatoriamente de apagar o blog amanhã, qual era o título do último post que irias escrever no blog?

Tudo tem um fim. Acabou.

Depois escreveria um texto de agradecimento por tudo (todos) o que o blog me deu.

 

5 - Tens [ou já tiveste] alguma celebridade que consideres como o teu ídolo?

Não. Já tive "pancas" (quem não?) mas idolatrar alguém, não.

 

6 - Uma saída com amigos: discoteca até de madrugada ou jantar e ficam todos em casa a conversar?

Jantar e conversar. Jogar às cartas ou Monopoly, ver um filme... Nunca gostei de discotecas, não era agora. 

 

7 - Qual foi a frase que alguém alguma vez te disse e que nunca esqueceste [não precisa de ser profunda, há frases que simplesmente nos ficam na cabeça]?

"Mais vale arrependermo-nos de ter feito, do que viver com a pergunta: e se?"

Fizemos, não deu em nada, mas não me arrependi.

 

 8 - Quando estás no carro ouves rádio ou escolhes a música que queres ouvir?

Eu prefiro rádio para me por a par das atualidades musicais, mas a antena do carro está partida há séculos e não quero por uma nova que a partida, ninguém me rouba. Quando o tempo está bom, tenho rádio, quando há nuvens, deixo de ter. Andam por lá dois CDs de "coletâneas" do século passado e que sei as letras de cor... sim, eu canto (mal) no carro.

 

9 - Se pudesses voltar atrás no tempo e dizer alguma coisa que ficou por dizer [porque só te lembraste depois, é o que acontece sempre], o que dirias?

Se não disse na altura e não tive vontade - ou à vontade - para dizer depois, já não quero dizer. O tempo passa e as palavras deixam de fazer sentido. 

 

10 - Se pudesses conhecer mais alguém dos blogs, quem seria? 

Gostava de conhecer muita gente (tenho esperança em alguns casos). A Fátima, pois claro, e toda a passarada (que mesmo nunca lhes tendo posto a vista em cima, conheço de ginjeira). Há mais algumas, pois claro que há, mas tenho medo de me esquecer de alguém importante (sou dessas) e depois fico triste. 

 

Quem quiser responder a este desafio, faça favor, será um gosto conhecer melhor as pessoas que por aqui passam. Avise, para eu ir ler.

 

Obrigada Fátima, pelo desafio 

 

 

De pequenino...

... se aprende que dói.

 

Estava eu a conhecer uma criança (que me odeia neste momento mas temos pena) quando a mãe me diz orgulhosa que ele, desde muito pequeno, sabe o que quer ser quando crescer.

 

Bombeiro? Polícia? Médico? Homem Aranha?

Não, o pequeno psicopata quer ser toureiro.

 

A mãe viu a raiva nos meus olhos, contra ela, obviamente: 

 

- Não era suposto ele sequer ter visto touradas, quanto mais querer ser toureiro. "Psicopatinha", sabes que os toureiros fazem mal aos animais?

- Não fazem nada.

- Achas que não dói ao touro quando lhe espetam coisas?

- Não dói nada.

- Olha "mãe psicopata", devias ter explicado ao "psicopatinha" que os touros saem magoados da arena.

- Deixa-te de coisas.

- Anda cá psicopatinha. (pego num palito que ali andava e pico a mão do puto) Dói, ou não dói?

 

O psicopatinha foi-se embora a esfregar a mão e a mãe riu-se.

Eu não achei nem um bocadinho de piada.

 

O pequeno ser demoníaco continua a querer ser toureiro, mas quer sê-lo a saber que o touro sente dores e ele não se importa com isso.

 

Se é para ser mentecapto, que o seja sem simulações de "não faz mal nenhum".

 

O psicopatinha não ficou ferido, foi apenas um "beliscão".

De mim, da vida... de tudo!

foto do autor

AlGo à Mesa

AlGo destacado

  •  
  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Queres falar comigo? Escreve.