Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog de AlGo

De mim, da vida... de tudo.

Beringela recheada

28.JPG

 A receita é muito versátil, e pode-se fazer com diversos ingredientes. O resultado é sempre delicioso.

As quantidades dependem de quantas pessoas vão comer

 

Precisamos de:

- Uma beringela (ou uma courgette, também fica muito bom)
- Carne picada (pode ser vaca ou porco, uma mistura das duas, frango ou peru, até mesmo soja granulada. Todas as opções resultam bem) 
- Cebola picada.
- Alho picado.
- Tomate maduro (ou tomate em lata).
- Polpa de tomate
- Vinho Branco.
- Azeite, sal, pimenta, piri piri e água q.b.
- Queijo ralado para gratinar.

 

Cortar a beringela ao meio, ao comprido. Retirar o interior sem danificar a casca (isto se formos uns pirosos e quisermos apresentar o prato dentro da casca, se não, não é preciso paneleirices este trabalho).

Em azeite, refogar a cebola com o interior da beringela picada. Quando digo refogar, não é queimar a cebola, é só mesmo um bocadinho, para amolecer. Juntar o alho (um bocadinho mais tarde que a cebola, para não queimar. Juntar também o tomate partido em pedaços pequeninos e um pouco de polpa de tomate (esta só se quiserem, não é essencial).

Juntar a carne picada e quando estiver castanha (que profissional das receitas, eu) refrescar com um pouco de vinho branco.

Temperar de sal, pimenta e (para quem gosta) piri piri.

Deixar cozinhar.

Se necessário acrescentar um pouco de água durante a confeção.

Quando a carne estiver cozinhada, se formos de paneleirices, enche-se as cascas da beringela com o preparado (se não, coloca-se num tabuleiro de ir ao forno) polvilha-se de queijo ralado e vai ao forno a gratinar.

Também se pode comer sem o queijo e sem ir ao forno, que é bom. Acompanha com salada, ou com arroz branco, puré, massa... 

 

A carne que sobrou (sobra sempre preparado quando se enche as cascas) congelei e hei-de fazer um empadão.

 

 

De mim, da vida... de tudo!

foto do autor

AlGo à Mesa

AlGo destacado

  •  
  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Queres falar comigo? Escreve.